quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Construtoras com canteiros mais seguros são premiadas no Rio de Janeiro-RJ


Cofix e Dominus conquistaram os dois troféus de ouro do "Prêmio Vitae-Rio Construção Segura, Empresa Viva"
A sexta edição do "Prêmio Vitae-Rio Construção Segura, Empresa Viva" aconteceu na última quinta-feira (24) no Rio de Janeiro e premiou construtoras que investem na gestão de saúde e segurança nos canteiros de obras. Segundo o Seconci-Rio (Serviço Social da Indústria da Construção do Rio de Janeiro), que promoveu o evento em parceria com  Sinduscon-Rio(Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio de Janeiro), a grande novidade ficou por conta das empresas Cofix e Dominus, que ganharam, pela primeira vez, os dois troféus de ouro.
Houve também a entrega de mais 16 troféus às empresas que mais se dedicaram à construção segura, sendo cinco de prata, conquistados pela Dimensional, Fator Towers, Gafisa, WTorre e Calçada; e nove de bronze, que ficaram com João Fortes, Carvalho Hosken, Even, Tenda, Delta, Cyrela RJZ, H2M, CHL e Delta Construções.
Uma das novidades desta edição foi a entrega de cinco medalhas de ouro para valorizar práticas pró-ativas, que foram divididas nas categorias Gestão Ambiental, conquistada pela Cyrela RJZ; Gestão de Pessoas, pela CHL; Gestão de Responsabilidade Social, ganhada pela Calçada; Gestão de Segurança, conquistada pela Dimensional, e Maior Conjunto de Práticas Pró-Ativas, pela Cofix.
Ainda durante o evento, foi assinado um contrato de comodato com a Carvalho Hosken para a cessão de um terreno em Curicica, onde será instalada uma escola de formação profissional da indústria da construção civil, em parceria com o Sinduscon-Rio, Seconci-Rio e Senai-RJ.
Por: Romário Ferreira, da revista Equipe de Obra
28/Novembro/2011

Uso excessivo da internet no Brasil pode ser sobretaxado


É bom os internautas brasileiros irem preparando os bolsos: as operadoras de telefonia estão se unindo para pleitear junto a Agência Nacional de Telecomunicações – ANATEL, permissão para cobrar uma espécie de sobretaxa aos usuários que acessam a web em demasia.
Não satisfeitas na tentativa pela cobrança abusiva aos seus clientes, as operadoras querem ainda taxar companhias como a Apple, Facebook, Google e Microsoft, alegando que estas possuem produtos que estimulam o uso excessivo da rede.
O argumento que as operadoras irão apresentar à ANATEL para a cobrança abusiva é a de que o uso em “excesso” da internet está causando saturação e sobrecarga na rede, devido ao alto fluxo no tráfego de dados.
De acordo com as operadoras, essa sobretaxa serviria como uma espécie de “fundo” para o aumento dos investimentos na ampliação e modernização da rede. Do contrário, justificam as companhias, o acesso a internet como um todo teria de ficar um pouco mais cara, penalizando assim o usuário que faz pouco uso da web.
Em relação à taxação das empresas que possuem produtos que estimulam o uso em demasia da rede, as operadoras se defendem alegando não ser justo que as grandes companhias lucrem com um modelo de negócio dependente da internet sem contribuir com a infraestrutura das conexões no país.
Indagada sobre o assunto, a Google Brasil informou que foi graças a produtos com grande apelo ao fluxo de dados, como é o caso do YouTube, que estimularam que novos usuários aderissem a rede mundial de computadores em nosso país, gerando assim mais lucro às operadoras.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Jubilação TST


Em clima de descontração, parte de um grupo de amigos TST`s fundadores do SINTEST-PB e ASTEST-PB, (Sindicato e associação dos técnicos de segurança do trabalho) participaram de evento na associação dos servidores dos Correios em Jampa.

Dinossauros em ação.....
Inspetores de segurança do trabalho (1974), Supervisores de segurança (1979) 
João Lopes, Renan, Valentina, Carlos e Laercio.
Inspetor de segurança do trabalho (1974) Ariosvaldo Soares Peixoto, nosso mestre e escritor - Capa do novo livro.

Familiares
Saulo TST nosso churrasqueiro.
João Lopes (ASTEST-PB) e Hamilton Frazão (Presidente da Associação dos Correios)
É nós flamenguistas.

Apoio:  Helmis eventos (83) 8819-7047.

Barriga é barriga...



Por: Arnaldo Jabour


Barriga é barriga, peito é peito e tudo mais. Confesso que tive agradável surpresa ao ver Chico Anísio no programa do Jô, dizendo que o exercício físico é o primeiro passo para a morte. Depois de chamar a atenção para o fato de que raramente se conhece um atleta que tenha chegado aos 80 anos e citar personalidades longevas que nunca fizeram ginástica ou exercício - entre elas o jurista e jornalista Barbosa Lima Sobrinho - mas chegou à idade centenária, o humorista arrematou com um exemplo da fauna:
A tartaruga com toda aquela lerdeza, vive 300 anos. Você conhece algum coelho que tenha vivido 15 anos?
Gostaria de contribuir com outro exemplo, o de Dorival Caymmi. O letrista compositor e intérprete baiano era conhecido como pai da preguiça. Passava 4/5 do dia deitado numa rede, bebendo, fumando e mastigando. Autêntico marcha-lenta, levava 10 segundos para percorrer um espaço de três metros. Pois mesmo assim e sem jamais ter feito exercício físico viveu 90 anos.
Conclusão: Esteira, caminhada, aeróbica, musculação, academia? Sai dessa enquanto você ainda tem saúde...
E viva o sedentarismo ocioso!!! Não fique chateado se você passar a vida inteira gordo. Você terá toda a eternidade para ser só osso!!!
Então: NÃO FAÇA MAIS DIETA!! Afinal, a baleia bebe só água, só come peixe, faz natação o dia inteiro, e é GORDA!!! O elefante só come verduras e é GORDOOOOOOOOO!!!
VIVA A BATATA FRITA E O CHOPP!!!
Você, menina bonita, tem pneus? Lógico, todo avião tem!
E nunca se esqueçam:
'Se caminhar fosse saudável, o carteiro seria imortal.´
E lembrem-se sempre:
Celulite quer dizer :
EU SOU GOSTOSA!!!! Em braile!

Vice-Presidente de Relações Trabalhistas e Política Sindical do SINDUSCON-JP

Relações trabalhistas exemplares na construção civil de João Pessoa (PB)

As relações entre empresários e trabalhadores na Construção Civil da Paraíba são um exemplo de que as relações trabalhistas não precisam necessariamente ser conflituosas. Segundo Ozaes Barros Mangueira Filho, vice-presidente de Relações Trabalhistas e Política Sindical do Sinduscon de João Pessoa e membro há nove anos do CPR-PB, a convivência feita de diálogos abertos e de objetivos em comum eliminou a velha mentalidade do patrão ser contra o empregado e o empregado ser contra o patrão.

“Todos têm o mesmo objetivo que é uma Construção Civil feita dentro de todos os critérios de segurança e de saúde do Trabalho. Não temos interesses divergentes. Logicamente que existem pleitos que se resumem a questões salariais, negociações comuns nas relações de trabalho. Mas no que diz respeito às questões de saúde e segurança no Trabalho os interesses são convergentes, todos nós concordamos no que queremos”, relata Ozaes.

Ozaes Barros Filho/Foto: Damião TST

De acordo com ele, a convenção coletiva do segmento em João Pessoa contempla agora a necessidade de toda obra seguir o  Programa de Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção (PCMAT) independente do número de funcionários nas obras. “O PCMAT é bem mais completo que o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e é na verdade o projeto de segurança do trabalho em determinada obra. Um PCMAT bem feito tende a minimizar bastante os riscos de acidentes de trabalho numa obra”, afirmou.

O PCMAT é obrigatório em obras com 20 ou mais trabalhadores. O programa é determinado pela  Norma Regulamentadora 18 (NR-18).

“Nós aqui colocamos como obrigação na convenção coletiva, que tem efeito de lei, que esse PCMAT seja exigido nas obras sem limite mínimo de trabalhadores. Queremos com isso conscientizar o empresário e os profissionais que elaboram o PCMAT de que ele é um projeto de segurança do trabalho. Queremos que ele, a exemplo de outros projetos, seja seguido à risca na obra, ou seja, ninguém faz nada na obra no que diz respeito à segurança sem ver o PCMAT”, disse Ozaes.

Para o vice-presidente de Relações Trabalhistas e Política Sindical do Sinduscon de João Pessoa, a construção civil está mais segura na Paraíba em razão da convergência de interesses de empresários e trabalhadores, mediados com a ajuda do CPR.

“Nós tivemos seis acidentes fatais nos últimos doze meses. Existe também um número, em contrapartida, absurdamente maior de funcionários, de pessoas na Construção Civil comparando-se com quatro, cinco anos atrás. Tem muito mais gente trabalhando mas os acidentes são em menor número. Um acidente fatal é sempre muito negativo e indesejado. O que a gente espera é que essas medidas que estamos implementando com o CPR façam com que os acidentes sejam cada vez mais evitados. O Programa de Redução de Acidentes Elétricos (PRAE) em vigor em João Pessoa  é um bom exemplo disso no que diz respeito aos choques elétricos, que foram zerados na cidade”, disse ele ao Blog.

Fonte:  Equipe do Blog , 29 de novembro de 2011
http://blog.mte.gov.br/?p=7038

E-mail e celular estendem jornada de trabalho e até as férias


Tecnologia eleva número de horas trabalhadas; brasileiro também passa mais tempo no escritório. Expansão da economia e promoções ajudam a explicar aumento da carga horária, aponta pesquisa.

"Eu olho e-mail em casa, andando na rua, no restaurante. Parece que o trabalho não me deixa." A declaração da publicitária Júlia Eboli, coordenadora de marketing da Tecla Internet, mostra a realidade de um contingente cada vez maior de profissionais.

A combinação entre crescimento mais intenso da economia e avanço nas tecnologias de comunicação tem resultado em aumento das horas trabalhadas no Brasil.

Sete em cada dez profissionais que ocupam cargos como analista, gerente e supervisor  afirmam que passam mais tempo no escritório hoje do que há cinco anos.

Mais da metade diz que o teto da carga horária no escritório saltou de oito para dez horas diárias, e quase 80% são acionados nos momentos de lazer e descanso via mensagens no celular.

Nem as férias escapam: mais de 50% dos funcionários de empresas que atuam no país respondem a e-mails de trabalho nesse período.

Esses são resultados de pesquisa feita pela Asap, consultoria de recrutamento de executivos, a pedido da Folha. Foram ouvidas 1.090 pessoas com renda mensal entre R$ 5.000 e R$ 15 mil.

A expansão da economia e as promoções no trabalho são as razões para o aumento da carga horária de trabalho, indica a maior parte dos entrevistados.

"Nossa empresa é vítima positiva da expansão do crédito. Estamos trabalhando mais", diz Daniel Polistchuck, diretor de tecnologia da Crivo, que desenvolve programas para análise de crédito.

Para Carlos Eduardo Ribeiro Dias, sócio e presidente-executivo da Asap, há um descompasso entre o ritmo do mercado de trabalho e o de formação acadêmica e profissional. "As pessoas estão sendo promovidas mais cedo, mas nem sempre estão preparadas. O resultado: trabalham mais."

Cansaço e estresse são consequências.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Entrevistamos Lélis Bezerra, o engenheiro que decidiu lutar contra os acidentes de trabalho na Paraíba.

Desde agosto passado, a reportagem deste Blog tem acompanhado o trabalho de auditores fiscais e engenheiros de segurança do Trabalho na Paraíba, estado em que a preocupação com a redução do números de acidentes de trabalho na Construção Civil tem produzido excelentes frutos.

Ora com apoio do Comitê Permanente Regional (CPR) da Paraíba, ora com o esforço de auditores e gestores públicos, o fato é que os canteiros de obras no estado estão mais seguros, circundados por iniciativas como o decreto que alterou o marco que regula a concessão de alvarás em Patos ou o Programa de Redução de Acidentes Elétricos (PRAE) em vigor na capital, João Pessoa.

“Ao realizar uma política de segurança do trabalho, quebramos uma cultura  danosa para o trabalhador”, avalia o engenheiro de segurança Lélis Bezerra, ex-secretário de Obras do município de Patos e um dos articuladores do revolucionário decreto que estabeleceu regras mais duras para a construção de edifícios na cidade.

“Houve uma mudança que se deu a partir do momento em que aconteceram os embargos nas obras em Patos, feitos pela fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego, mais especificamente pela ação fiscal do auditor Carlos Alberto Pontes. A partir dali a rigidez da fiscalização do MTE fez com que os construtores procurasse a prefeitura para emissão dos alvarás de construção. Eles procuravam orientações na própria prefeitura. Mas não havia orientação em relação às políticas de segurança do trabalho. Como eu era secretário de obras na época pensei em fazer junto à prefeitura e ao MTE  um sistema que pegasse o problema no seu nascedouro e aí começamos a estudar esse decreto que hoje é realidade”, relata Bezerra.

O documento foi editado em 16 de junho passado e condiciona a liberação de alvarás à apresentação, por parte de quem constroi, de uma série de documentos referentes à prevenção de acidentes de trabalho.

Ainda conforme o engenheiro Lélis Bezerra, em dois anos, os contrutores em Patos começaram a absorver, em sua mentalidade, a necessidade de fazer as políticas de segurança no trabalho sob pena de novos embargos. A ação fiscalizatória do MTE ajudou a pressionar e tudo isso culminou numa nova realidade na cidade. “Os projetos de segurança tornaram-se realidade fazendo parte de uma nova cultura”, avalia.

A prefeitura também colaborou no sentido de mandar seus fiscais de obras para percorrê-las. Os equipamentos públicos que serão erguidos pela prefeitura tem de ter a documentação de segurança do trabalho, diz o decreto. As empresas contratadas terão de adotar a politica de segurança do trabalho, algo que não era imaginável poucos anos atrás.

Por: Equipe do Blog , 28 de novembro de 2011
Engº Lelis
Leia a reportagem sobre Patos na Revista Trabalho com imagens cedidas pelo auditor Carlos Alberto Pontes.

Segurança do trabalho precisa fazer parte do planejamento da obra, diz Valentina de Andrade Maia.


sábado, 26 de novembro de 2011

II Encontro dos TST`s da Paraíba

Realização SINTEST-PB, FENATEST e Revista Proteção.
Evento de grande repercussão a nível estadual.
Fotos do Evento:
Alexandre Gusmão revista Proteção, Laercio Silva (ASTEST-PB), Edvaldo Nunes Treventos, Ulisses e Abelardo SRTE-PB. 
Professor Genilton
Fabiano representante da BRACOL
Paulo Pessoa presidente do SINTEST-PE
Participantes na FIEP-PB
Participantes na SRTE-PB

Sorteio de brindes
Diretores SINTEST-PB Nivaldo Barbosa, Valentina Maia e Laercio Silva.
Homenagem ao TST Rafael Campos - Campina Grande -PB
Professor Abdon Yankel

II Encontro TST Riograndense

"CONFIRMAR PRESENÇA  PELOS TELEFONES: (84) 3220-0475 / 3220-0476 / 3220-0495 ou 3220-0490."

Afastamentos por doenças mentais disparam no país


Depressão e estresse ligados ao trabalho levam a afastamento pelo INSS concessões de auxílio-doença acidentário para episódios de transtornos mentais cresceram 19,6%.

O mercado de trabalho tornou-se um foco de doenças como depressão e estresse. A tendência já se reflete em forte aumento no número de brasileiros afastados pelo INSS por esse tipo de problema de saúde.

As concessões de auxílio-doença acidentário para casos de transtornos mentais e comportamentais cresceram 19,6% no primeiro semestre de 2011 em relação ao mesmo período do ano passado.

O aumento foi quatro vezes o da expansão no número total de novos afastamentos autorizados pelo INSS.

Nenhum outro grupo de doença provocou crescimento tão forte na quantidade de benefícios de auxílio-doença concedidos entre janeiro e junho deste ano.

"Há ondas de doenças de trabalho. A onda atual é a da saúde mental", diz Thiago Pavin, psicólogo do Fleury.

Existem dois tipos de auxílio-doença concedidos pelo INSS: os acidentários e os previdenciários.

O primeiro grupo, que representa uma fatia pequena (cerca de 16%) do total, inclui os casos em que o médico perito vê vínculo entre o problema de saúde e a atividade profissional do beneficiário. Quando essa ligação não é clara, o afastamento cai na categoria previdenciária.

Mudanças adotadas pelo Ministério da Previdência Social em 2007 facilitaram o diagnóstico de doenças causadas pelo ambiente de trabalho.

Isso levou a um forte aumento nas concessões de benefícios acidentários para todos os tipos de doença em 2007 e 2008.

Os afastamentos provocados por casos de transtornos mentais e comportamentais, por exemplo, saltaram de apenas 612 em 2006 para 12.818 em 2008. Mas, depois desse ajuste inicial, tinham subido apenas 5% em 2009 e recuado 10% em 2010.

Por isso, a explosão ocorrida no primeiro semestre deste ano acendeu uma luz amarela no governo. 

 Por: VENCESLAU BORLINA FILHO e ÉRICA FRAGA


Coparticipante
Ribamar
Coordenador
CPR-CG

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

TST fazendo a diferença



A revista Proteção, que sempre nos traz excelentes conteúdos na área de segurança ocupacional, nesta sua edição presta uma valiosa homenagem aos técnicos de segurança do trabalho do Brasil.

No mês em que esses prevencionistas comemoram sua existência em defesa da vida ocupacional do trabalhador brasileiro, a revista Proteção produz uma reportagem sobre a atuação desses profissionais na gestão da segurança nas empresas, destaca a inserção do técnico no mercado de trabalho e lembra suas atribuições no "chão de fábrica" e seu importante papel no diálogo com os trabalhadores na conscientização dos infortúnios ocupacionais.

Parabéns a toda equipe editorial. Ficamos satisfeitos por sermos reconhecidos por uma conceituada revista, especializada na área de saúde e segurança do trabalhador.

A edição de Proteção deste mês destaca também as homenagens que estarão sendo realizadas em todo país para comemorar a data no Brasil. Portanto, o 27 de Novembro é uma data importante para os profissionais de segurança do Brasil. É um momento que devemos sair às ruas deste país e dizer para o povo brasileiro que somos responsáveis pelo cuidar das pessoas em seus ambientes de trabalho, mesmo contrariando interesses da classe patronal.

Vamos encher as praças públicas e expor à sociedade brasileira nossa indignação e repúdio ao descaso de empresários, irresponsáveis, bem como sua exclusão no cuidar da integridade dos empregados. É um dia de exigir que o governo brasileiro aumente sua atuação fiscalizadora em saúde e segurança em todas as regiões do país para que os trabalhadores tenham ambientes decentes, saudáveis e seguros.


Por Eli Almeida
elialmeida2003@yahoo.com.br

Dia nacional do técnico em segurança do trabalho.



27 de novembro, este dia escolhido é para lembrar deste profissional e a intenção é homenagear a categoria que sempre se preocupou com o bem estar dos trabalhadores que prestam relevantes serviços à segurança e à saúde do trabalhador, prevenindo acidentes e melhorando as condições de saúde no trabalho. O Técnico de Segurança do Trabalho, "o anjo da guardo do trabalhador", tem um papel fundamental no piso de fábrica (empresas, indústrias), mas nem sempre é reconhecido pelo patrão, suas atribuições profissionais é essencial para o andamento de todo o processo de qualquer empresa e/ou instituição. Temos no Brasil uma quantidade grande de empresas omitindo acidentes do trabalho, esquecendo de valorizar o profissional de segurança, e o resultado é que o Brasil gasta com acidente do trabalho, o valor de dois e meio por cento do PIB.

O técnico de segurança do trabalho é um profissional com formação pelo ensino secundário, regulado pela Lei nº 7.410, de 27 de novembro de 1985. Dentre suas atribuições, definidas pela Portaria nº 3.275/89, do Ministro do Trabalho, (Elaborar, participar da elaboração e implementar política de saúde e segurança no trabalho (SST); realizar auditorias, acompanhamento e avaliação na área; identificar variáveis de controle de doenças, acidentes, qualidade de vida e meio ambiente. Desenvolver ações educativas na área de Saúde e Segurança no Trabalho; participar de perícias e fiscalizações e integrar processos de negociação. Participar da adoção de tecnologias e processos de trabalho; gerenciar documentação de SST; investigar, analisar acidentes e recomendar medidas de prevenção e controle), destacam-se a informação do empregador e dos trabalhadores sobre os riscos presentes no ambiente de trabalho e a promoção de campanhas e outros eventos de divulgação das normas de segurança e saúde no trabalho, além do estudo dos dados estatísticos sobre acidentes e doenças relacionadas ao trabalho.

Na Classificação Brasileira de Ocupações - CBO - editada pelo Ministério do Trabalho e Emprego, o técnico de segurança do trabalho recebe o código 3516-05. A CBO registra que este profissional deve participar da elaboração e implementação de políticas de segurança do trabalho, entre outras funções.
As empresas podem ser obrigadas a contratar técnicos de segurança do trabalho para integrar o Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT), em razão de seu código na Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE - e número de empregados. A obrigação está prevista no artigo 162 da Consolidação das Leis do Trabalho e detalhada na Norma Regulamentadora nº 4, aprovada pela Portaria nº 33/83

A equipe do SESMT (Serviço Especializado em Saúde e Segurança do Trabalho) pode ser composta também por engenheiro de segurança do trabalho, médico do trabalho, enfermeiro do trabalho e auxiliar de enfermagem do trabalho.

O dia do Técnico de Segurança do Trabalho é comemorado no intuito de que reconheçam o valor de todos profissionais no sistema produtivo do Brasil, tendo sua parcela na redução dos acidentes e doenças profissionais, e acima de tudo amando e respeitando o ser humano como a si mesmo.

Muitos outros podem, contudo, ainda, se perguntar: mas por que preciso de um técnico de segurança do trabalho?! O fato é que a segurança do trabalho é item cada vez mais vital nas organizações a fim de promover o bem-estar físico, social e mental do profissional.

E como atua o profissional de segurança do trabalho nesse sentido? Ele previne os acidentes por meio da conscientização do profissional, mas deve primordialmente fazer um acompanhamento da rotina de cada profissional, de suas tarefas. Um dia de conscientização não é tudo, até porque há uma questão cultural do funcionário achar que nada irá acontecer com ele. A filosofia do “se não aconteceu até hoje, por que é que vai acontecer?”, do profissional operacional ou a do “ah, eu estudei para isso, já sei tudo, não preciso que você me diga como é o meu trabalho”, do profissional de nível superior ainda imperam com intensidade em empresas dos mais diversos ramos de negócio. Essa resistência é um obstáculo a ser considerado, mas a ser superado pelo técnico de segurança do trabalho. Um trabalho árduo porém gratificante. Deixo os meus parabéns a todos os companheiros que estão atuando na área e também aqueles que não estão, um forte abraço e que Deus abençoe a todos nós, nos proteja e nos dê sabedoria para podermos atuar da melhor maneira possível.


Autor: Jenai Ferreira de Souza

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Nossa página é destaque no blog do Ministério do Trabalho - DF





  
Saiba os eventos que ocorrem em novembro na área da segurança do trabalho.

Equipe do Blog , 16 de novembro de 2011

Do Blog do Laercio Silva

Em novembro, entidades de todo o país realizam eventos em comemoração ao Dia do Engenheiro de Segurança do Trabalho e do Técnico de Segurança do Trabalho, 27 de novembro. A SOBES (Sociedade Brasileira de Engenharia de Segurança), juntamente com a SOBES-RIO, realizará, no dia 24, um workshop sobre Trabalho Decente no Brasil. Também no dia 24, o SINTEST-PB (Sindicato dos Técnicos de Segurança do Trabalho da Paraíba) realizará o II Encontro dos Técnicos em Segurança do Trabalho da Paraíba. Confira no final da matéria os eventos que acontecerão na Bahia, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Para ler mais acesse o blog.

Checklist


Checklist NR 18, bom para aplicação em atividades na área da indústria da construção civil.

Acesso:
http://www.prt5.mpt.gov.br/checklist-NR18.pdf

Sobre boas práticas de segurança do trabalho


Disseminar práticas de segurança do trabalho aplicadas na Transnacional e Reunidas. Foi com esse objetivo que a Mineradora Milênio, localizada em Mataraca-PB, convidou o nosso técnico de segurança do trabalho, Marcone Gomes da Silva, e o técnico em Segurança, Antônio Gomes, para ministrar palestra em sua 23ª SIPAT (Semana Interna de Prevenção de Acidentes). A palestra aconteceu no dia 25 de outubro. Na oportunidade, os técnicos apresentaram ao público todo o funcionamento e ferramentas de segurança utilizadas nas empresas e mostraram porque elas são referência no assunto.

Durante sua apresentação, Marcone Gomes, destacou a atuação das empresas no que se refere à Ergometria do Trabalho e atendimento de primeiros socorros a usuários, citando os mecanismos de apoio ergométrico para motoristas e cobradores nos ônibus e o curso de primeiros socorros dado aos profissionais nas empresas. “Sempre prestamos atenção quanto ao conforto dos profissionais no ambiente de trabalho. Sabemos que o motorista permanece por um bom tempo sentado e, por isso, nas empresas existe um médico do trabalho pronto para o atendimento e resolução de problemas relacionados a isso”, disse.

Já quanto ao usuário, Marcone ressalvou que a Comissão de Prevenção de Acidentes (CIPA) das empresas é bastante atuante. “A CIPA está constantemente realizando reciclagens quanto ao atendimento de primeiros socorros com motoristas e cobradores, para que eles saibam como agir diante de uma urgência no interior dos veículos antes da chegada do socorro médico”, afirmou ele.

Antônio Gomes, por sua, vez, falou sobre os perigos de auto contaminação em ambiente de trabalho, além de fazer referência aos exames realizados constantemente pelo setor médico da Transnacional e Reunidas, para avaliação periódica da saúde de seus colaboradores.



Matéria publicada em importante meio de comunicação Jornal na Linha das empresas Transnacional e Reunidas.
News - Assessoria & Comunicação
Jornalista responsável: Eliane Sobral (DRT-PE 1993)
Repórter: Juliana Lichacovski (DRT-PB 2917)
Contato: (83) 3221-8829/ 3221-8830
e-mail: esnews@terra.com.br/news@newscomunicacao.com.br
Twitter: @Elianenews
www.newscomunicacao.com.br
       



domingo, 20 de novembro de 2011

Simpósio em GUANAMBI - BA


CONTATO:
            (77) 9934-4041     
                   9144-6060     
                   8105-3322     
lucianamoreiragbi@hotmail.com

Defensivos agrícolas (agrotóxicos) fazem mal à saúde


De acordo com o consultor sanitário e especialista em Direito Sanitário João Peixoto Neto, os agrotóxicos podem ser utilizados pelos produtores dentro dos limites da legislação. No entanto, se usados acima desse limite, seus ativos químicos podem trazer sérios danos à saúde, desde alergias, até o desenvolvimento de um câncer.

João Peixoto destaca que o consumidor deve estar alerta para a procedência do alimento que compra. “É importante que o consumidor cobre do fornecedor para que ele cobre do produtor. É uma cadeia”, explica.

Ele destaca ainda que o consumidor deve comprar os alimentos de época, pois estes não precisam de tratamento químico para serem melhor conservados.

Segundo João Peixoto, o recomendado é que todas frutas e legumes sejam bem lavados antes de consumidos para evitar outras contaminações, como de parasitas, por exemplo.

“Uma boa lavagem não é plenamente eficaz contra um alto grau de agrotóxico, mas evita outras contaminações”, completou.

Fonte:


Coparticipante
Ribamar
Coordenador
CPR-CG




Índice do FAP para 2012 pode ser contestado até 30 de novembro


Até o dia 30 de novembro, empresas podem contestar, através do site do Ministério da Previdência Social (MPS), os valores atribuídos para o Fator Acidentário de Prevenção (FAP) calculado em 2011, que deverá ser utilizado para a definição da alíquota do Seguro Acidente do Trabalho (SAT), que será recolhido em 2012.

Ao todo, estão disponíveis valores de 1.008.071 empresas, integrantes de 1.301 subclasses de atividades econômicas. O fator acidentário foi atualizado com base no histórico de acidentalidade de 2009 e 2010, processado em 2011 e com vigência para 2012. Do total das empresas, 919.718, ou 91,2%, deverão ser bonificadas na aplicação do FAP 2011. Somente 88.353 empresas do total deverão ter aumento na alíquota de contribuição ao SAT em 2012, pois apresentaram acidentalidade superior à média do seu setor econômico.

Para o diretor do Departamento de Políticas de Saúde e Segurança Ocupacional, Remígio Todeschini, o FAP é um importante instrumento da Política Nacional de Segurança e Saúde do Trabalhador. "Os resultados gerais mostram a consistência da metodologia do FAP que está sendo aplicada. Sem dúvida, ela é uma fotografia da acidentalidade hoje no Brasil, que busca levar as empresas a uma ação mais efetiva na busca pela cultura da prevenção de acidentes no ambiente de trabalho", destaca Todeschini.

O resultado do julgamento será publicado no DOU, sendo que o acesso a dados mais detalhados é restrito à empresa, nas páginas eletrônicas da Previdência e da Receita.

Novembro/2011
Por: Mauricio Lima

sábado, 19 de novembro de 2011

Trabalhador morre soterrado ao extrair areia de barranco


Um trabalhador morreu soterrado em uma obra no município de Sousa, no Sertão paraibano. A morte, que está sendo considerada pela Polícia Civil como um acidente de trabalho, aconteceu às 17h da segunda-feira (14). De acordo com a delegacia da cidade, uma barreira desabou sobre Geraldo Celestino da Silva, de 41 anos.

Segundo relatos de testemunhas à delegacia, ele trabalhava retirando areia de uma barreira. Quando estava carregando uma caçamba, ele foi atingido pelo desabamento do barranco. O trabalhador ainda teria tentado escapar, mas foi derrubado e ficou inconsciente. Colegas disseram que tentaram resgatá-lo, mas Geraldo morreu no local.


 
A Polícia Civil esteve no local e ouviu depoimentos de testemunhas. Um inquérito foi aberto para apurar as responsabilidades. O corpo de Geraldo foi encaminhado para o Hospital Regional de Sousa e, em seguida, transferido para a Unidade de Medicina Legal (UML) de Patos. A delegacia solicitou uma necrópsia para confirmar as causas da morte.

Fonte:G1

Acidente com caminhão de coleta de lixo

Morreu no fim de semana uma das quatro pessoas feridas no tombamento de um caminhão de coleta de lixo no dia 8 de novembro em Campina Grande. O gari Lindenberg da Silva Massau, de 41 anos, passou cinco dias internado na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Antônio Targino, apresentando traumatismo craniano. A morte foi registrada no domingo (13), mas o caso só foi divulgado nesta terça-feira (15). O corpo já foi encaminhado para exames na Unidade de Medicina Legal e entregue à família para o enterro.

O acidente aconteceu na BR-230 por volta das 4h, no fim do plantão noturno da equipe, que seguia em direção ao lixão do município. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, o veículo sofreu uma falha mecânica.

As outras três pessoas feridas receberam alta. Um dos envolvidos foi outro gari de 49 anos, que sofreu fraturas pelo corpo e foi submetido a uma cirurgia no Hospital Antônio Targino. Ele e o outro colega que morreu tiveram ferimentos de maior gravidade porque estavam na parte de trás do caminhão. Já o motorista de 27 anos e o ajudante de 19 sofreram ferimentos leves e foram liberados no mesmo dia do acidente depois de serem atendidos no Hospital de Emergência e Trauma.        
  

 Rafael Campos dos Santos
 Técnico de Segurança no Trabalho
 MEMBRO DO CPR CAMPINA GRANDE
Correspondente Campina Grande-PB

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...